Cardiologia

Muitas pessoas ainda não sabem, mas o cardiologista desempenha um papel fundamental para o tratamento de um paciente acometido pelo diabete. A patologia é uma doença metabólica com transtornos no espectro lipídico e muitas alterações relacionadas à inflamações e trombose. Fatores como resistência à insulina e a não dilatação das artérias, acabam por elevar a pressão arterial destes pacientes, o que contribui para a formação de trombos. O conjunto desses sintomas, indicam uma tendência a um bloqueio na irrigação do músculo cardíaco, e sem suprimento de sangue, o coração sofre um infarto.

O diabete é considerado o principal inimigo do sistema circulatório, pois além de maltratar toda rede de irrigação do nosso sangue (artérias maiores, coronárias e até os vasinhos no fundo o olho) as artérias dos pacientes são mais tortuosas e apresentam lesões em vários pontos. Além disso, se o paciente diabético não buscar controlar os níveis de açúcar por muito tempo, pode sobrecarregar o coração, levando ao não relaxamento no mesmo e endurecimento do órgão. Esse estágio da patologia, pode resultar em insuficiência cardíaca. O quadro comumente conhecido como cardiopatia diabética apresenta alta letalidade e necessita de acompanhamento constante.

Assim, o médico cardiologista deve sempre está entre as prioridades dos pacientes diabéticos, pois além de controlar os níveis de colesterol e pressão arterial, o especialista dessa área pode ajudar a prevenir possíveis paradas cardíacas. Além disso, seguir as recomendações médicas e mudar os hábitos de vida são essenciais para garantir um melhor domínio sobre a doença.